quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Yakusoku Wa Iranai...

Essa é Maaya Sakamoto, cantora e dubladora de desenhos. Eu não conhecia o trabalho dela, mas ontem eu estava relendo minhas songfics (eu já disse como as amo?) e encontrei a que eu fiz com a música de abertura do anime The Vision Of Escaflowne - por isso que a minha songfic não tem a música toda.

O anime trata de Hitomi, uma jovem que é transportada para um mundo mágico e ajuda o jovem amargurado Van (ele é muito muito muito fofooooooo), que depois descobre que ele é um Príncipe e dono do Escaflowne, uma espécie de dragão-robô-mágico. Faz tanto tempo que eu vi Escaflowne que etsou baixando novamente pra ver, porque é com certeza um dos meus animes favoritos. Conheci ele quando tinha apresentação lá na gibiteca... Faz tempo =X

Bem, voltando ao tema, eu estava procurando a música e me deparei com o nome da Maaya, até ai tudo bem, porque alguém mesmo tinha que cantar - a trilha sonora de Escaflowne é fabulosa, toda orquestrada e perfeita, só de lembrar dela (eu tenho gravada em k7) eu fic arrepiada - e descubro que além de interpretar a música de abertura - Yakusoku Wa Iranai - ela também fez a voz da Hitomi! Depois eu vi que ela fez várias vozes, mas eu não vi os animes então nem é importante colocar aqui.

Achando isso, eu resolvi procurar por ela no vocêtubo e encontrei ela cantando ao vivo essa música. Devo ter escutado umas 30x repetidas. Eu acho essa música perfeita, a voz dela tão bonita e carregada de sentimento, cantando uma das letras mais românticas que eu já ouvi. Claro, eu gosto muito dessa música. Pior foi a música ter começado e eu lembrar de grande parte da letra, afinal, faz anos que não escuto, coisa de mais de 7 anos...

Quando eu fiz a songfic, eu tinha visto Escaflowne. Claro, minha songfic é uma porquera perto da música, mas eu tomei tanto cuidado na época pra escrever que nem posso falar muito mal dela, porque não é uma das minhas piores histórias e nem a das melhores. Ela é média, até razoavel, eu tinha desenvolvido uma Carolina boa pras fics, eu consigo ainda me encaixar em muitos aspectos dos dialogos e das ações. Eu realmente não acho que o Kevin abandonaria uma festa de aniversário para fugir com alguém, mas eu me lembrei, enquanto relia, que o objetivo era aliviar a pressão. Tanto que nem existe a cena de sexo, porque ela não é importante, o foco seria a escolha de virar e mudar. Claro, o título da fic fala muito sobre isso, já que o que essa música trata é que a moça não quer nada como uma promessa, ela quer apenas ficar junto com ele. Enfim, eu até gosto dessa songfic, eu acho que ela poderia ser melhor, mas se eu consegui escrever somente isso, está de bom tamanho.

A parte que eu mais gosto é a do presente, aquela lua que quando eu reli, eu consegui ver ela novamente. Certamente eu posso dar um presente desses, eu sou apaixonada pela Lua, eu adoro coisas que tenham seu nome ou que ela apareça. A melhor coisa que eu tinha da Lua era uma pingente igual ao da Sailor Moon, enorme. Acabei perdendo e ainda hoje lembro dele com saudades.

Andando pelo show da Maaya, eu descobri que ela tem músicas bem legais. Acabei gostando do trabalho dela. =) Oquei, eu gosto muito de música japonesa.

Enfim, a senhorita Sakamoto então, cantando Yakusou Wa Iranai...



nee aishitara daremo ga / konna kodoku ni naru no? /nee kurayami yori mo fukai kurushimi /dakishimeteru no? // nani mo kamo ga futari kagayaku tame / kitto // kimi o kimi o aishiteru / kokoro de mitsumete iru / kimi o kimi o shinjiteru / samui yoru mo // nee koi shite mo dare ni mo itsuka /owari ga kuru no? / nee aozora yori mo sunda / tokimeki sutete shimau no? // kisetsu kawaru no kaze / michi o hashiru zutto // kimi o kimi o aishiteru / kokoro de mitsumete iru / kimi o kimi o shinjiteru / samui yoru mo // tatoe ashita nakushite mo / anata o ushinatte mo / dekiru kagiri no egao de kayagakitai // namida de ima yobi kakeru / yakusoku nado iranai / kimi ga kureta taisetsu na tsuyosa dakara // hitomi de ima yobi kakeru / yakusoku nado iranai / hitomi de ima te o nobasu / samui yoru mo.

Download da música aqui - Yakosuko Wa Iranai

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

I Will Still Love You - Songfic

(Esse post é dedicado a Camila Dorough que me disse que eu não escrevo sobre Backstreet Boys no meu blog, de fato não escrevo, mas se escrever sobre fanfics compensar isso, faremos negócio =^;^= Não sei o que escrever deles senão for dessa forma... Vou melhorar isso)

Na verdade eu não sei quantos anos eu tinha quando escrevi essa songfic, mas ela teve tantas mudanças por correção que as vezes eu releio e ainda acho alguns erros - já disse que sou uma péssima revisadora né?

Essa songfic, uma das minhas favoritas e eu amo songfics, era da época que eu escrevia as fics para mim mesma. Eu a escrevi em dois dias, escutando repetidamente Still do 98º.

Sempre li romances demais, eu não acho que o Kevin possa ser tão ciumento, mas é divertido pensar nisso. Eu acho cenas de ciúmes engraçadas, porque as pessoas sempre falam coisas que não tem o menor sentido, mas que elas sentem tanta raiva e inveja, que é engraçado. Agora, atacado do jeito que ele está descrito, somente porque eu sou uma Richardson e não poderia imaginar nada menos do que aquilo.

Gosto da simplicidade da história, uma garota que ama um cara e trabalha pra ele, pra ficar perto dele. O cara só vai reparar na existência dela por causa do destino, porque até então estava ocupado com coisas mais importantes - se tratando do Kevin, é justo. O cara repara e decide que quer a mulher. Dai começa tudo... Ela sofrendo de amor é tão brega que me doi toda vez que releio - deve ser por isso que toda vez eu acho erros, eu não releio direito. Eu mesma não tenho certeza como eu pude escrever algo tão brega... (oquei, não é a minha fic mais brega, mas tah quase lah).

Claro, as cenas de sexo detalhadas porque eu sempre pensei que poderia ser importante pra história e hoje quase não as escrevo mais. Acho que deu minha putaria já uahuauhahua.

A pergunta que sempre me fizeram - por que raios a Carolyn é irmã do JC? Na verdade, tem a continuação dessa fic, tratando do JC com a mocinha que ele gosta. É também uma songfic do 98º, mas eu nunca terminei de escrever porque o JC tah muito estranho nela. Ele parece mais uma mulher e me irrita... Essa fic eu perdi as versões escritas no pc dela e só tenho uma versão antiga e a primeira, escrita a caneta. Um dias desses eu sento e escrevo direito, como deve ser escrita.

Por que a Carolyn vira escritora? Bem, primeiro porque ela foi baseada em mim, o que é um grande erro, afinal é chato ler esse tipo de fanfic e depois, na época dela, a Priss linda estava escrevendo "Aniversário de Fim-de-Namoro" (já disse hoje como eu amo essa fic?) e nela, eu faço uma aparição escrevendo A Dama de Tigersbrigde. Bem, sei lá, eu acho que plagiei a Priss nisso e algumas histórias tem a protagonista como escritora. Uma delas, que eu nunca dei pra ninguém ler (e tenho ela salva porque eu gosto de ler ela, senão ela já teria sido perdida também), a moça está no oitavo livro dela, sobre um cavaleiro. Nessa fic, a moça tem um filho do Kevin e fugiu dele, como ele nunca entendeu o porque e nunca foi atrás pra saber também, ele passou a ler os livros dela e ver as adaptações pro cinema e seriados. Essa história é quase tão pornografica quanto as demais, sempre pensei demais em transar com o Kevin (hoje é com menos frequencia uhahuahuahuahu), mas eu nunca terminei, porque ela é pornografica demais uhahuahuahua.

O que importa é que essa fanfic pode ser lida nos links: Parte 1 / Parte 2 / Parte 3
Eu dividi porque ela é meio grandinha e fica mais fácil de ler.
A música do 98º pode ser baixada da minha pasta do 4shared - Still



Ah, hoje é meu aniversário. São quase 3 da matina e eu estou arrumando meu amado Legado e relendo fanfics... Realmente eu sou muito melancólica.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Zettai Kareshi

Zettai Kareshi pode ser também Absolute Boyfriend. A razão por eu estar assistindo esse é porque o Hiro (Nanba-senpai '-' ) faz parte do cast... E pior que nem me arrependi. Esse dorama é baseado na mangá da Yuu Watase e conta a história de Izawa Riiko que foi pega pra uma entrevista a respeito do namorado perfeito para uma empresa que constroe robôs, e no dia seguinte, ela recebe o 01, o robô namorado ideal. Totalmente baseado no que ela escolheu como ideal, inclusive a aparência, o robô vem pra deixar a vida dela mais feliz - ao menos era a missão dele.

Asamoto Soshi é o chefe de Riiko e num incidente, acaba comendo um bolinho de creme que ela fez e adora. Encarregado de criar um novo produto pra empresa que ele trabalha (que trabalha com doces), ele lembra da sensação de ter comido o bolinho e pede pra que Riiko faça mais pra que ele mostre na reunião. Começa ai a amizade dos dois. Nem preciso dizer que o Soshi é um fofoooo e playboy (que é a cara do Hiro uahuhahuahu). Ele tem um olhar mó devotado pra Riiko... Tanto ele como o Night... Pode-se dizer que ela é uma moça de sorte. Nem preciso falar que ele se apaixona por ela, né?

E eu não pensei que diria isso, mas o Hayami Mokomichi que faz o Tenjo Night (o nome que a Riko deu pro robô) é realmente gostoso. Isso porque eu só acho japoneses charmosos e languidos... '-' (sim, isso é surpreendente!). Am I Sexy? Oh yes!

O pessoal da DramaFans tá traduzindo ainda, mas eu não pude esperar pra ver e assisti online com legendas em inglês. Realmente é um seriado muito fofo... Eu não terminei de ver, estou no 8 ainda, só que deu pau no site e não vai mais '-' Tão desesperador que vim postar aqui.

Eu ainda não li o mangá, já me falaram que é bom. Eu ainda tôh lendo HanaKimi - sim, Izumi fofoooooooo - depois eu vou dar uma lida nesse e venho comentar.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Novo layout

Ah fazia tempo que eu queria mudar... Enfim, consegui tempo. Não ficou bonito, sou péssima pra criar imagens, mas o GIMP me ajudou a por a letra de Midnight Crow e o Sakuya (perfect!) juntos.

Ficou mais ou menos assim:

Sonhos estão sempre no distante horizonte.
Eles existem para que possamos voar cada vez mais alto.
Se algum dia eu puder transpor o sol,
Mesmo as asas negras da meia-noite…
...Parecerão com as asas de um anjo.

Sonhos podem sempre ser encontrados na dor.
Eles existem para que nos tornemos fortes amanhã.
Ainda que a chuva cortante perfure meus olhos,
Buscarei pelo arco-íris após a escuridão…
...Então, poderei ver o amanhã.


Eu gosto de Kaikan Phrase, a Mayu Shinjo fez um ótimo trabalho. É uma história maravilhosa e o Sakuya é muito legal - oquei, eu prefiro Love Celeb, tenho adoração pelo Gin e quando o Sakuya aparece em Love Celeb ele fica mais poderoso ainda. E também tem o anime do Kaikan Phrase, que é simplesmente lindo - é de lá que vem essa imagem do Sakuya e minha paixão por /\ucifer.

Pra comemorar a minha mudança de layout, ainda achei Midnight Crow ao vivo. Ah claro, quando lançaram Kaikan Phrase, formaram a banda Lucifer de verdade e eles eram o máximo (porque se separaram Ç_Ç ) e eu amo música ao vivo.

Então...



Kanashimi no juu ni utareta /kizuguchi wo [gamu] de fusaida / DJ to waratte itara / chimamire no namida ga ochita // Komiageru kuyachisa wo nadamete nemurou / ima wa tada asa wo matsu /[karasu] ni nareba ii sa //Yume wa itsumo sora no kanata ni aru / kyou yori takaku tobutameni aru / taiyou no naka itsuka tsukinuketara /yami no youna kuroi tsubasa mo... tenshi ni mieru sa // Omoide wo [ramu] no bin ni / tojikomete [baiku] de hikeba / kokoro made tsubishita youde / hikarabita namida ga ochita / ore dake wa ore no [koto] shinjite yaritai / fukitsu dato kirawareta / karasu] wa shitte irusa // Yume wa itsumo itami no naka ni aru / kyou yori tsuyokunaru tameni aru / eiri na ame ga hitomi tsukisachitemo / yami ni kakaru niji wo sagaseba... ashita wa mieru // Yume wa itsumo sora no kanata ni aru / kyou yori takaku tobutameni aru / taiyou no naka itsuka tsukinuketara / yami no youna kuroi tsubasa mo... tenshi ni mieru sa

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Hanazakari no Kimitachi e

(Pode conter Spoilers)

Aqui estou eu com mais um dorama (oquei, eu confesso, do nada me deu vontade de ver mais depois que eu vi Hana Yori Dango - que eu vou escrever a respeito depois). Eu fui ver por causa do Oguri Shun (nhaaaaaaaaaaaaa! Perfeito como Hanazawa Rui - em Hana Yori Dango - que eu fiquei apaixonada) e dai eu vi esse dorama pra down e baixei.

Hanazakari no Kimitachi e é algo como "Pra vocês na flor da idade" (ou HanaKimi como foi apelidado pelos fãs, mas com um nome comprido desse, tinha que abreviar mesmo =X ) e conta a história de Ashiya Mizuki, uma menina que adora esportes e é fascinada por Sano Izumi (Shuuuuun liiiindooooooooooooo) e por algum motivo, ele pára de praticar o esporte. Achando que é por culpa dela, por um incidente nos Estados Unidos, Mizuki vai pro Japão atrás do seu idolo - e para ajudá-lo. Só que tem um problema, Sano estuda num colégio interno somente para rapazes - Ohzaka Gakuen -, e para que possa ficar perto dele, Mizuki se disfarça de homem e ingressa nessa escola. Ela é divida em 3 dormitórios, sendo o primeiro dos que lutam, o segundo dos "esportistas" (onde o Sano está) e o terceiro dos artistas.

Por sorte, acaba dividindo o quarto com ele e começa a saga para ajudá-lo a voltar a praticar o esporte (ele pratica salto em altura). Sano dá muitas patadas gratuitas na Mizuki e é engraçado, porque ele olha com o maior descaso pra ela. Primeiro porque ela esquece que está numa escola de meninos e todos acham que ela é gay.

Mas nem tudo é ruim assim. Na escola, ela acaba ficando amiga de Nakatsu Shuichi (o grande jogador de futebol) que estuda na mesma sala que Mizuki e Sano e também mora no mesmo dormitório. Certamente meu personagem favorito. Nakatsu vive um drama porque se vê atraido por Mizuki e começa a se questionar se é homossexual ou não e as expressões do autor são as melhores (sério, eu chorei de rir com ele). No final, ele não consegue resistir a paixão e começa uma guerra com o Sano pela Mizuki - cenas muito divertidas.

Fora o triângulo amoroso, tem os outros alunos que são engraçados também. E o vice-diretor fica incentivando as disputas com premiações bizarras, o que cria situações muito engraçadas. Meu outro favorito é o Nanba-senpai, o líder do dormitório 2, carismático e playboy. Ele é muito foda mesmo, só de pensar na cara dele no desafio da paquera, eu começo a rir ("eu só tive uma hora por isso consegui só isso" - aponta pra trás e tem umas quinze meninas seguindo ele UAHUAHUAUHAHUHUA). Todos os demais meninos são cativantes e quando estão unidos é muito divertido.

E sim, eu queria que o Nakatsu tivesse ao menos dado um beijo na Mizuki de tanto que ele desejou ela durante todo o seriado. Sem contar que as imaginações deles eram as melhores. Pretendo cortar uns trechos e colocar no vocêtubo com algumas das melhores cenas. Essa da imagem ao lado é quando a Mizuki dorme no ombro dele, porque tinha tido uma briga com o Sano e não conseguiu dormir direito. Dai o Nakatsu ia beijar e eu fiquei na maior expectativa e não aconteceu nada. O Nakatsu louco por quase ter beijado um menino é muito engraçado. As melhores cenas dele são quando ele começa a falar sozinho, fazendo várias mimicas, a voz convencida, ele sonhando alto. Oquei, adoro o Nakatsu =X

Outras cenas legais são quando o Sano fica bêbado... E ele vira um beijoqueiro. Dai a Mizuki descobre que ele já beijou quase todo mundo da escola uhahuahuahuauh e acaba sendo beijada por ele também - seu primeiro beijo. Quando o Sano beija o Kagurazaka (foto ao lado, dele tocando os lábios e a Mizuki olhando uhahuahuahu), o cara fica todo perturbado. Lá pelo final, o Sano tah de cosplay de empregada e o Kagurazaka dá uma olhada nele e pede pra que o Sano atenda ele - a cara do Sano nessa hora é uma das melhores!

Então, agora eu fui atrás do mangá pra ver. Ao menos o traço é bonito. Vou ler e ter minha própria opinião postad aqui depois. Se for tão engraçado quanto o live, já compensa.

Qualidade de imagem eu recomendo esse blog - Yami No Sekai - para o download desse dorama. Só tem 12 episódios e é muito bom. E para conhecer a história, nada com o site oficial - Hanazakari no Kimitachi e - com imagens e comentários.

Vou cortar algumas cenas do Nakatsu falando com ele mesmo e posto depois.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Love Celeb

Amo muito Love Celeb e nem teria como ser indiferente...

Mas fuçando na net, eu achei o site da Mayu Shinjo e lá tem uns vídeos engraçados feitos em flash do trabalho dela... Logo, tem Gin lá.

http://www.mayutan.com/flash/flash_enter1.html

Esse link é pra um desses videos engraçados, de entrada do site.... Muito fofo o trabalho.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Shinigami Takuto

Kimi wo suki ni natte dorekurai tatsu no kana? /Kimochi fukurande yuku bakari de /Kimi wa kono omoi kidzuiteiru no kana? /Ichido mo kotoba ni wa Shitenai kedo

Yuki no youni tada shizukani / Furitsumori tsudzukete yuku

Hold me tight konna omoi nara / Dareka wo suki ni naru kimochi /Shiritaku nakatta yo / I love you namida tomaranai / Konnan ja kimi no koto / Shirazuni ireba yokatta yo

Quanto tempo se passou desde que eu gostei de você? / E o meu sentimento apenas cresce /Será que você percebeu o que sinto? / Eu nunca disse isso para você

E como a neve silenciosamente / Apenas se acumulando

Abrace-me forte, se fosse para me sentir assim / Nunca deveria ter desejado / Essa sensação de gostar de alguém / Eu te amo, as lágrimas não param / Desse jeito era melhor / Não ter te conhecido

Eternal Snow - Route L Version



Eu amo Full Moon Wo Sagashite '-'

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Nana

Tah, hoje de madrugada eu vi o filme japonês Nana e adorei. O que é bom, já que baixei 14 pedaços dele pra montar... Mas deu tudo certo e a qualidade de imagem e audio estavam ótimas, e vinha com legenda embutida.

Nana é uma adaptação do mangá de Ai Yazawa e trata de uma história de amizade. O mangá está sendo publicado aqui no Brasil também, se alguém tiver interesse.

Não, eu não conhecia o mangá ou o anime e nem sabia dessa história. Eu fui ver porque estava ouvindo Yuna Ito e lembrei que ela fez parte de um filme, como uma cantora misteriosa e de voz maravilhosa. Ela fez a REIRA desse filme, a cantora linda do Trapnest, uma banda de sucesso do Japão. Claro, a Yuna está ótima no filme, pena que aparece tão pouco e ainda falando em inglês em sua única fala.

O filme trata de duas personagens chamadas Nana. Uma delas, independente, fria e moderna é a Nana Osaki, cantora punk que tem uma voz maravilhosa e o sonho de ganhar a vida com música. Ela é a vocalista da banda Blast e teve um relacionamento conturbado no passado. A outra personagem é Nana Komatsu e ela vai pra Tóquio porque quer morar com o namorado. Ela é meiga, ingênua e aprende muito com a outra Nana (que diz que ela se parece com um cachorro e passa a chamá-la de Hachi - uma das melhores passagens do filme). Elas se conhecem no trem que está indo pra Toquio e se encontram novamente quando estão vendo um apartamento - que passam a dividir logo depois.

(aqui uma imagem que eu achei na net das 3 Nana Komatsu - a mangá, anime e a do filme)

Um bom incentivo pra eu ter visto o filme foi que o Ken'ichi Matsuyama aparece também... Muito pouco, muito bobo, mas aparece. E aquele sorriso dele é de conquistar qualquer coração. (Nha! Eu adoro ele =X Pra quem estiver perdido, ele fez o L nos lives do Death Note) Ele interpreta do Shin, um baixista que entra pra banda que a Nana está formando em Tóquio. Esse lugar pertencia ao ex-namorado dela, Ren, que agora faz parte da Trapnest.

(Aqui a imagem que eu também achei na net da Nana Oosaki, com suas três versões - mangá, anime e live. No primeiro filme de Nana, ela foi interpretada por uma cantora famosa no Japão chamada Mika Nakashima)

Sobre relacionamentos românticos, o filme mostra o da Nana com o Ren - muito apaixonante e bonito, já que o Ren parece apaixonado pela personalidade forte de Nana. Uma das melhores cenas são eles na banheira conversando sobre como haviam se conhecido. Nana parece alguém sem muita perspectiva pois não tinha os pais e sua avó, que a criava, morre. Ela se apaixona a primeira vista pelo Ren e eles começam a namorar, então ele lhe ensina a cantar e ela volta com seu orgulho e obstinação.

Já a outra Nana tem namorado e a relação acaba perdendo ritmo e ele se apaixona por uma companheira de trabalho. Ela fica muito desolado, já que seu plano de vida - juntar dinheiro pra se casar - não se realiza e ela não sabe mais o que fazer. Graças a força de sua amiga Nana, ela consegue se recuperar e evoluir.

E tem o filme 2, que eu vou baixar e assistir. Agora seguem o trailer e a música Glamorous Sky (meu recorte - primeiro no vocêtubo)



Glamorous Sky

sábado, 26 de setembro de 2009

Vampire Diaries

Cá estou eu, depois de um tempo desaparecida do blog.

Com o fim da segunda temporada de True Blood, tive que caçar outro seriado pra assistir enquanto eu espero a data da terceira temporada. E eis que estreia Vampire Diaries, baseado na série de livros da L.J. Smith.

Embora eu ache bem simples a história, eu gosto muito dos personagens. Eu já li os livros da série antiga (porque a Smith está lançando uma nova parte) e eu gostei da história. Muitos vão achar que é parecido com Crepusculo, mas pra todos os mal informados, a Smith escreveu o primeiro livro em 1991, então, impossível se "copiar " algo quando se escreve primeiro.

Enfim, trata da história dos irmãos Stefan e Damon Salvatore, um querendo retomar a vida, o outro um monstro completo. Nisso, temos a Elena, aparência dela lembra a de Katherine, a mulher que enganou e transformou os irmãos em vampiros. Embora Elena ame Stefan, ela não nega sua mega atração pelo Damon (e não poderia ser diferente!!!!).

A série está sendo exibida nos Estados Unidos e em breve, pela Warner, aqui no Brasil. Eu acompanho pela internet. Já passaram 3 episódios: Pilot, Night Of The Comet e Friday Night Bites.

O seriado é bem adolescente, mas sei lá, eu gosto dos personagens, por isso estou assistindo. E sem contar que o Paul Wesley (que interpreta do Stefan) é um ator que eu gosto muito, que tem um olhar bem cativante. E o Ian Somerhalder é muito hot, e ele de Damon ficou muito perfeito. Ele dá todo o ar malvado e sedutor do Damon. Só achei bobo os vampiros ficarem deformados, mas fora isso, é bem legal e divertido.

Gostei. Espero que a série vingue e tenha mais temporadas.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Blood And Chocolate

(atendendo a um pedido) Vou falar então do livro Blood And Chocolate, que deu origem ao filme com o mesmo nome, que eu já falei por aqui. O livro foi escrito por Annette Curtis Klause, e o nome do livro vem de uma passagem de outro livro, agora de Herman Hesse chamado Steppenwolf: "Com medo eu corro pela estrada, trago o gosto do sangue e do chocolate em minha boca, o primeiro mais odioso do que o outro".

Claro, uma metáfora também, dada a natureza da protagonista. O livro foi lançado em 1997.

Resuminho do livro: Vivian Gandillon saboreia a mudança, a dor doce e poderosa que a leva de garota à lobo. Com dezesseis, ela é bonita e forte, e todos os lobos jovens estão em seu pé. Mas Vivian ainda está de luto por seu pai morto; seu grupo continua sem um líder e em desordem, e ela se sente perdida nos subúrbios de Maryland. Ela deseja uma vida normal. Mas o que é normal para um lobo? Então Vivian se apaixona por um garoto de carne-e-osso, bom e gentil, um alívio bem vindo do grupo briguento. Ele é fascinado por magia, e Viviam deseja se revelar para ele. Certamente ele iria entende-la e deliciar a maravilha de sua natureza dupla, não teme-la como um humano normal faria. A lealdade dividida de Vivian é forçada ainda mais quando um assassinato brutal ameaça expor o grupo. Movendo-se entre dois mundos, ela não parece pertencer a nenhum dos dois.

O livro foi traduzido for fun pela maravilhosa comunidade "Traduções de Livros" do orkut. As meninas fazem um excelente trabalho lá, traduzindo livros e se preocupando com expressões e pequenos detalhes. Foi por lá que conheci outros trabalhos e novas histórias.

Estou disponibilizando o livro em .pdf pra leitura de quem quiser. Todos os créditos foram mantidos, de autoria e tradução. Agradeço as meninas da comunidade por esse trabalho maravilhoso. Clique aqui pra baixar

Espero que gostem. Eu adorei o livro. A Vivian é muito viva, o Aiden encantador e o Gabriel muito sedutor.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Remake de The Warriors???

Passeando pelo meu orkut hoje, vi na comunidade do The Warriors que vão fazer um remake! Bem, apesar de eu torcer o nariz pra isso - não tem como eu não fazer isso - eu fui atrás pra ver. O filme vai ser lançado pro ano que vem, uma nova roupagem desse clássico. Nesse filme, o pessoal resolvia as coisas na mão, não sei se conseguem manter isso... Hoje perdeu a graça esses filmes da gangue porque todo mundo tá armado e não tem mais aquela "graciosidade" de todo mundo sair na mão.

Eu era bem pequena quando vi esse filme, passou na Globo (o nome em português é "Selvagens da Noite"... oh my, quem é que modifica o nomes dos filmes dessa forma???). Eu nunca esqueci a história, porque tah ai um tipo de enredo que eu gosto muito. Simples e direto. Os personagens são bem variados e legais e cada um seguindo o esquema da sua gangue. Esse filme foi lançado em 1979, e eu nem tinha nascido ainda. Mas reconheço que é maravilhoso, uma produção digna.

A sinopse eh essa: Nova York, em um indeterminado futuro. As gangues de delinqüentes juvenis se reúnem numa convenção. O líder do principal grupo prega a união entre eles, pois juntos poderão controlar a cidade - o contingente deles é maior que a força policial. O líder acaba sendo assassinado, com a culpa recaindo sobre um bando da periferia, que nada teve a ver com o atentado. Assim eles se vêem obrigados a atravessar a cidade, enquanto são caçados pelos membros das outras gangues. (tirado do site Adoro Cinema)

Muitas pessoas não conhecem esse filme, o que é uma pena. Tudo bem, nem sei se iam gostar também. Mas pra mim, ele é tudo de bom. Swan, o Guerreiro Líder dos Warriors fica com a cara amarrada dele o filme todo, liderando muito bem os Warriors em sua volta pra casa. Porque tudo o que eles querem é voltar pra sua area, do outro lado da cidade, e as demais gangues não vão facilitar, jah que os Warriors foram acusados de assassinar Cyrus.

Eu não acho que uma remake vah manter muito da aura do filme. Posso dar meu credito, mas com o pe bem atrás. Não digo que remakes não sejam bons, mas esse é um clássico e sua história simples pode ser fatalmente estragada pelas loucuras de Hollywood. Primeiro que eu li que o cara não ia manter as gangues que aparecem no filme, o que jah é um sacrilégio. As gangues podem parecer "zuadas" a nossos olhos modernos, mas encaixavam-se perfeitamente na idéia da época que foi lançado o filme. Tirar essas marcas do filmes (os estilos das gangues) vai fazer com que o filme perca muito.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Propaganda True Blood

Oquei, funçando no Youtube achei uns videos referentes a True Blood e vou por aqui, porque os adorei!



Aceite a verdade! Vampiros são americanos!
Essa é propaganda da Ligua Americana de Vampiros, que já apareceu em alguns episódios, defendendo os direitos dos vampiros.


Fellowship Of The Sun. Igreja que "recruta" voluntários humanos na caça aos Vampiros. Aparecem rapidamente na primeira temporada, mas agora na segunda, explica todo o funcionamento da Igreja e tudo mais, com Jason fazendo parte do programa intensivo da Sociedade.

Site da Fellowship Of The Sun




Aqui o trailer da segunda temporada, lindo lindo!

Bill Compton


Willian Thomas Compton é um personagem criado pro Charlaine Harris na série de livros Southern Vampires Mysteries. Vampiro Bill, como é chamado, era morador de Bon Temps antes de ir para a Guerra Civil dos Estados Unidos e ser transformado em vampiro. Ele tem mais de 100 anos e sua antiga familia tem ligações com os Bellefleurs, pra quem começa a mandar dinheiro quando descobre essa ligação.

Bill trabalha para a Rainha de Louisiana e faz um trabalho de investigação com um banco de dados sobre os vampiros na América. Ele faz isso para superar o poder de Eric e evitar por ele e Sookie em mais confusões.

Ele é um personagem curioso e misterioso. Bill acaba voltando pra Bon Temps e inicia um namoro com Sookie Stackhouse, a "telepata local". Esse relacionamento acaba chamando a atenção de Eric, xerife da área onde Bill mora e acaba metendo Sookie em muitos problemas.

Em True Blood, seriado baseado na série de livros da Harris, ele é interpretado pelo ator inglês Stephen Moyer - muito bem interpretado por sinal, por que eu adoro o Bill. No seriado, Bill é muito mais sexy, confiante e misterioso. Não tem como não gostar dele.

Bill é um vampiro com bastantes traços de humanidade. Sente repulsa com as ações violentas de outros vampiros, mas ao mesmo tempo, não consegue negar sua natureza e matar aqueles que fazem ou fizeram mal a ele a ou a Sookie. Essa dualidade é maravilhosa e pelo olhar de Bill, você consegue perceber quando ele mudou de idéia, quando está preocupado, quando está amando.


Essa é uma prévia que a HBO fez pra segunda - e maravilhosa - temporada de True Blood.

sábado, 1 de agosto de 2009

Homem-Bomba!

Bem, essa piada é boa e mereceu estar aqui. Foi postada por um membro do fórum que sou moderadora:

8 passos de o que fazer no avião quando o passageiro do lado é um chato.

1. Tirar o laptop da mala;

2. Abrir o laptop devagarinho e calmamente;

3. Ligar;

4. Assegurar-se de que o vizinho está olhando;

5. Ligar a Internet;

6. Fechar os olhos por breves momentos, abri-los de novo e dirigir o olhar para o céu;

7. Respirar profundamente e abrir este site:
http://www.myit-media.de/the_end.html <<>heh.gif

8. Observar a expressão facial do vizinho.



É sacanagem essa piada, mas não digo que essa tática não pode funcionar.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Momento Michael

Sim, eu gosto do Michael Jackson. Adoro desde pequena. Uma pena que tenha morrido cedo e certamente deixará muita saudades pra mim. Ninguém dança melhor do que ele! Ele foi simplesmente fantástico e que os Deuses o tenham em um lugar bom e desfrutem da maravilha de artista que ele foi.

Acho que a primeira música que ouvi dele foi Bad, incluindo o video-clipe. Foi amor a primeira vista. Michael perfeito dançando aquela coreografia maravilhosa, enquanto mostrava que ele era Bad.

Depois disso, só tive que conhecer mais o trabalho dele e me apaixonar. Com tantas músicas bonitas, divertidas e dançantes, não poderia ter sido diferente.

Michael, descanse em paz!

quarta-feira, 15 de julho de 2009

True Blood

A verdade sobre os vampiros e eu é que eu não gosto de vampiros. Eu até os acho simpáticos, mas eu sou do estilo que gosta dos caçadores (Blade e Van Helsing).

Mas existem vampiros charmosos e alguns deles estão no seriado da HBO - True Blood. Eu vi as propagandas e assisti. A paixão foi imediata. Simplesmente eu não consegui parar de assistir e todos os 12 episódios (só????) da primeira temporada foram devorados no tempo de eu baixar eles.

True Blood conta a historia de Sookie Stackhouse, uma garçonete telepata que vive numa cidade de Louisiana chamada Bon Temps. Com a invenção do sangue sintético pelos japoneses, os vampiros sairam dos caixões e agora todo o mundo sabe sobre eles. Um vampiro chamado Bill Compton aparece na pequena Bon Temps, cansado da vida nômade, decide se instalar na cidade que um dia ele viveu, quando humano. Sookie fica curiosa a respeito dele, uma vez que não consegue ler seus pensamentos e isso era um de seus maiores desejos - não ter que ficar se concentrando o tempo todo, ela simplesmente poderia relaxar e ser quem ela é.

Mas Bon Temps não é o paraíso e um assassino serial está a solta, matando mulheres que tiveram relacionamentos com vampiros. A suspeita cai sobre o irmão de Sookie, Jason Stackhouse, que tem histórico sexual com as vitimas...

Pra piorar ainda mais as coisas, Eric Northman, xerife da área cinco, se interessa por Sookie quando ela vai ao Fangtasia (bar dirigido por ele) fazer perguntas sobre as duas primeiras moças assassinadas de Bon Temps...

E entre muitas coisas que posso falar de True Blood, essa sipnose é apenas o começo. True Blood é baseado na série de livros da Charlaine Harris - Southern Vampire Books - Sookis Stackhouse Series. O primeiro livro já está por aqui - Morto Até o Amanhecer - Prestígio Editora. Eu comprei o meu *-*

True Blood está na sua segunda temporada, exibida somente na HBO americana por enquanto. Mas os episódios já estão disponivéis para download em comunidades especializadas. Vale a pena conhecer, True Blood é tudo de bom, tem personagens maravilhosos e um enredo bom.

domingo, 12 de julho de 2009

Blood And Chocolate

A sinopse é a seguinte: Há 10 anos, nas remotas montanhas do Colorado, a jovem Vivian assistiu ao assassinato de sua família por um grupo de homens raivosos. O motivo da morte deles era um segredo que sua família carregava no sangue: eles eram lobisomens. Vivian consegue escapar por ter corrido para a floresta e lá se transformado em um lobo. Já adulta, Vivian vive em Bucareste, onde trabalha em uma loja de chocolates. À noite ela percorre os clubes subterrâneos da cidade, sobrevivendo aos ataques selvagens de seu primo Rafe e sua gangue de delinquentes, chamada "Os Cinco". Até que conhece Aiden Galvin, um artista à procura de arte antiga e que tem especial interesse na mitologia dos "loup garoux", pessoas que podem se transformar sempre que querem tanto em forma humana quanto lupina. Só que Alden não imaginava que o mito que o fascina é bem real e está bem próximo dele. (Extraido do site Adoro Cinema)

Eu nunca botei fé em filmes de monstros porque eu sei o potencial das pessoas para estragar as coisas. Ainda mais filmes de lobisomens... Mas eu vou dar um pequeno crédito a esse filme. Ele foi indicado por meu amigo Henry um dia que estavamos na locadora alugando Homem de Ferro. Eu estava com um pé atrás de assistir, mas resolvi arriscar porque afinal, algum filme pode vir a me surpreender.

O que eu gostei mesmo foi os lobos, em sua forma de lobos e a sociedade que foi organizada no filme. Me pareceu bem real e organizada, com aqueles pontos escuros e misteriosos a respeito da interação dos seres. O instinto de correr e essas coisas também ficou legal, mas ainda mais por esforço dos atores do que da produção do filme. É verdade, eu achei que poderia ser melhor muitas partes do filme, mas gostei da caça e do instinto a mostra por causa de sangue - afinal não podemos nos esquecer que lobisomens comem pessoas, segundo as lendas. O que eu mais gostei mesmo foi dos lobos se curvando quando o Alpha chegava, eu achei bem legal... Bem legal mesmo.

Eu achei que a Vivian, a loup-garoux principal, foi muito pouco aproveitada. Ela ficava fazendo as coisas dela e se esquivando de tudo. Levava a culpa pela morte de seus pais, mas de qualquer forma, não me parecia justificar muito de suas atitudes durante o filme. Sei lá, ela não pareceu "evoluir" durante o enredo, ela apenas se manteve firme no que queria, mas isso ela já fazia desde o começo. E não entendi porque ela era um lobo branco...

O encontro da Vivian e do Aiden foi um tanto quanto forçado e com aqueles clichês que todos nos conhecemos. Tudo bem, eu não esperava que nao tivesse cliches, mas esperava que ela ficasse mais a vontade de ser o que era - eu sei, ela ficou o filme todo fugindo do que ela é e esse é o maior clichê de todos. As pessoas podem mudar se elas realmente puderem mudar, mas deixar de ser loup-garoux me parece dificil, é como deixar de ser humano - podemos chamá-lo de monstro, mas ainda é humano.

O Aiden é uma gracinha. Ele é muito humano no filme, o que dá bastante contraste com a Vivian - que parece sempre embaraçada o filme todo, como se não soubesse o que fazer. Os desenhos deles são lindos '-' E como ele estuda loup-garoux porque escreve histórias, ele aprendeu fácil como deter um lobisomen. A cena que ele luta com um dos Cinco ficou bem legal, porque mostrou que ele estava disposto a lutar.

Embora lobisomens apresentem essa estranha fraqueza contra prata - e eu juro que procurei a respeito e não encontrei nada, não podemos supor que todo mundo acredite nisso. Enfim, a cena ficou bem legal e depois o Aiden virou uma especie de caçador de monstros como se ele sempre o fizesse. Depois dessa cena, que quase foi morto, ele ainda briga com a Vivian, dizendo que ela deveria ter ficado longe dele - o que não faz sentido, afinal, ele que ficou indo atrás dela e ela fugindo como dava pra fugir, já que ela também queria um envolvimento com ele.

Voltando aos loup-garoux, encontramos o Alpha, Gabriel. O ator ficou bem legal, embora com um sotaque pra lá de esquisito dada a origem dele. Aparentemente ele queria a Vivian pra si, e estava abandonando as outras femeas da matilha pra ficar com ela. O que achei estranho é que pra seres tão orgulhosos, algumas vezes eles não pensavam nisso ou agiam como se sentissem realmente orgulho. Gabriel lidera bem o bando, tanto que nas reuniões de caça, ficou mesmo parecendo que ele dominava todo o bando, os tinha onde queriam que eles estivesse e fazia o que era necessário para o bem estar deles. Caçar e matar humanos que tinham matado alguns deles me pareceu bem justo, afinal, eles precisam manter sua raça e se ficarem caçando eles sem troco não dá graça. E olha que ele transformado em lobo era um baita lobão - hauahuahaua.

O final do filme foi um pouco frustante, mas não deixou de ser bom pra o que estava sendo apresentado de história. Embora eu tenha certeza que por mais raiva que a Vivian tivesse de ser loup-garoux, ela nunca teria feito o que fez. Bem, sendo um filme assim, e se eu pudesse dar alguma nota, acho que dava 7. O filme podia ter sido mais aproveitado, os personagens terem sido melhor colocados, mas podia ser bem pior do que foi.

Em breve, um pots sobre o livro que inspirou o filme e lá encontramos porque o nome é Sangue e Chocolate, e não é porque a Vivian trabalha fazendo chocolates '-' Sim, porque eu achei o filme legal e fui atrás do livro. ^^

sábado, 11 de julho de 2009

Dimka Fofo!

Extraído do livro – Vampire Academy – traduzido pelas meninas da comunidade Livros Traduzidos. O livro eh narrado por Rose Hathaway, uma Damphir que estah treinando para se tornar a Guardiã de Lissa, a ultima Dragmoir. Claro, isso eh spoiler e dos grandes... Mas não posso deixar de destacar essa parte, que eh muito bonitinha e de cortar o coração.:

“O feitiço. Victor disse que você tinha que me querer... que se importar comigo... para funcionar.” Quando ele não disse nada, eu tentei segurar sua camiseta, mas meus dedos estavam muito fracos. “Você queria? Você me queria?”

As palavras dele saíram espessamente. “Sim, Roza. Eu queria você. Eu ainda quero. Eu queria... que nós pudéssemos ficar juntos.”

“Então porque você mentiu pra mim?”

Ele chegou na clínica, e ele conseguiu abrir a porta enquanto ainda me segurava. Assim que ele entrou, ele começou a gritar por socorro.

“Por que você mentiu?” eu murmurei de novo.

Ainda me segurando em seus braços, ele olhou para mim. Eu podia ouvir vozes e passos se aproximando.

“Porque nós não podemos ficar juntos.”

“Por causa da coisa idade, certo?” Eu perguntei. “Porque você é o meu mentor?”

Seus dedos gentilmente limparam uma lágrima que escorreu pela minha bochecha. “Isso é parte do motivo,” ele disse. “Mas também... bem, você e eu seremos guardiões de Lissa algum dia. Eu preciso protegê-la a todo custo. Se um grupo de Strigoi vier, eu preciso jogar meu corpo contra o dela para proteger ela.”

“Eu sei disso. É claro que é isso que você tem que fazer.”

As estrelas estavam girando na minha mente de novo. Eu estava perdendo a consciência.


Não. Se eu me deixar amar você, eu não vou me jogar na frente dela. Eu vou me jogar na sua frente.


A equipe médica chegou e me tirou dos braços de Dimitri.




Ah Deuses, eu adoro coisas fofas. E o Dimitri eh muito fofo. Na verdade, eu gostei mais do Moroi Christian, que eh azedo, acido e brutal.

Nossa, preciso estudar. Esse eh o terceiro livro que li esse final de semana. Outros foram “Blood And Chocolate” e “Vampire Diaries 01 - The Awakening”. Mas foi bem divertido. Eu acho que gostei mais do Academy que do Diaries, embora o Stefan beije a mocinha… Como eu odeio demora. Oquei, sexo não precisa rolar, mas pelo menos uns beijos pra compensar esses amores estranhos. Embora eu goste de platonismo, chega uma hora, num romance, que não rola ficar so nisso...

História dos gatinhos - parte 2

Continuando a saga…

Mais duas noites, e o filhotinho ficou chorando. Entao eu viajei pra minha casa e quando voltei, ele não estava mais por la – achava eu. E ninguém sabia me falar dele – o que não me surpreende. Mais alguns dias, não sei quantos, e então os miados recomeçam.

Dessa vez foi claro ver dois filhotes – um malhado e outro siamês – no telhado onde o primeiro filhote estava. Aparentemente a mãe havia abandonado. Passaram dois dias miando. Acabei voltando la, a pedido ate da menina que mora comigo, porque ela não gosta de gatos, mas quando eu mostrei a ela da janela do nosso quarto os dois filhotinhos, ela ficou comovida.

Dessa vez tudo seria diferente. Ela ate havia dito pra adotarmos os gatinhos, jah que fazia dois dias que eles miavam desesperadamente. Eu me enchi de felicidade, eu sou apaixonada por gatos e eu acho que seria mesmo mais feliz se tivesse um animal comigo. Enfim, voltei la no terreno com uma caixa de papelão e um pão que a bixete largou pra trás.

Claro, como da primeira vez, eu não ia subir no telhado e os filhotes estavam muito assustado e não vieram. Minha colega saiu na janela e me ajudou a ver onde eles tinham se escondido. Parti o pão e lancei em cima do telhado, jah que não podia pega-los. Aqueles filhotes eram pequenos demais. Eu fiquei morrendo de do deles, judiação estarem ali.

Pra minha grande surpresa, o gatinho branco (o resgatado da primeira historia) estava la. Estava maior do que eu me lembrava e mais rápido. Viu?, pensei comigo mesma, você ajudou o gatinho a sobreviver. Não sei se seria correto mesmo afirmar isso, eu fiquei pensando naqueles programas da Discovery de animais e pensei que a Natureza sempre dah um jeito e que sei lah, aquele filhote estava ótimo. Não me senti triste, eu fiquei feliz por ele estar vivo.

No final, eu não consegui pegar os filhotes e voltei um pouco frustrada. Ao menos aquela tarde eles não miaram, pois comeram o pão preto da bixete. Fiquei feliz por eles, meu coração fica partido com os miados desesperados.




Hmm, na verdade eu deveria ter continuado isso quanto era tempo. Agora, os gatinhos se foram. O siamês ficou coisa de dois dias sozinhos, tentamos pegar ele, iríamos adotar, mas numa noite ele sumiu juntamente com os outros.

Deixei a historia aqui no PC e não passei pro blog... uffu! E faz tempo que isso tudo aconteceu... Só vim postar porque já estava escrito.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Michael

Bem, eu adoro o Michael Jackson. Fiquei muito triste com sua morte. Não ainda encontro palavras certas pra expressar aqui tudo o que ele significou em minha vida, mas isso não quer dizer que ele não terá espaço aqui.
Michael, esteja com os Deuses!

Pretty Guardian Sailor Moon


Sailor Moon é um dos meus animes favoritos. Ele é engraçado, tem personagens carismáticos e cenas bobas que servem pra descontrair. Mas como tudo que dá muito dinheiro no Japão se transforma em mais dinheiro, faz um tempo já lançaram o seriado da Sailor Moon, entitulado - Pretty Guardian Sailor Moon.

Na época, eu quase entrei em desespero pra baixar os episódios, já que gosto muito, mas nunca dava certo, perdia os links e no final, eu tenho apenas o ato 1 e 2. Somente agora que eu resolvi ir atrás e fazer posts para cada personagem. Por enquanto, somente essa introdução.

O que tenho a dizer sobre esse seriado é que ficou muito parecido. As roupas, golpes e transformações ficaram bem legais. Alguns personagens ficaram ótimos, outros nem tanto. Mas nunca se pode acertar sempre em personagens.
Essa cena é do primeiro ato, Tuxedo Mask se encontrando com a Sailor V. Muito bom. Ficou bem aproveitado o cenário e tudo mais. Sem contar que a fantasia do Tuxedo ficou bem legal mesmo.
Ai ai adorei o seriado!

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Candy

A sipnose é a seguinte: Candy é uma pintora jovem e talentosa e Dan, um poeta promissor. Ambos são viciados em drogas. Quando se encontram, é amor à primeira vista. No início, sentem como se tivessem encontrado o paraíso. Mas, como em todos os paraísos, também neste há um pecado original: a heroína. Ambos acreditam que a felicidade não tem limites. Com o decorrer do tempo, percebem que não têm como sobreviver. Candy precisa se prostituir, e Dan não a impede. Eles decidem fortalecer o amor que os une e se casam.

Eu tirei isso de um site de filmes que ficava mais fácil do que eu escrever a respeito. Eu não gosto desse tipo de filme, eu assisti somente porque era com o Heath Legder (que os Deuses o tenham em um bom lugar!) e ele ainda é meu ator favorito.

Candy é forte demais pra mim. Em algumas cenas eu me contorci, um pouco enjoada, um pouco angustiada. Quando a Candy começa a se prostituir pra poder comprar drogas, eu achei muito forte a expressão vazia do Dan, olhando pro nada. Depois que vira rotina, dai eu fiquei mais enojada ainda pela não-ação dele.

Claro, a cena mais forte foi a deles se abraçando no hospital, por causa do bebê. Eu não entendi bem porque eles não procuraram ajuda, porque resolveram parar de se drogar sem ajuda. Foram instantes de filmes angustiantes e quando você escuta os berros da Candy no hospital, fica horrorizado. Acho que foi somente pra chocar mesmo... Ao menos, deu certo comigo. Dan segurando o bebê e olhando pra ele, dizendo que a perninha dele tinha se mexido, foi angustiante também. Meu nobre Heath, interpretava tão bem!!!

Gostei da narração do filme, embora eu tenha lido criticas a respeito que era "batida". Mas não sei se existe outras maneiras "criativas" de contar a história de drogados. Eu, como não vejo muito esse tipo de filme, achei bem legal a narração que o Dan faz do filme "Eu não estava tentando salvar a vida da Candy... Eu estava tentando salvar a minha vida".

O final eu achei bastante revelador a respeito do Dan. Por mais que eles estivessem se autodestruindo, ele teve aquela "sacada" para deixar que Candy seguisse bem. Embora eu não pudesse imaginar aquele tipo de final, eu gostei bastante dele.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

X-Men Origens - Wolverine

Oquei, eu fui ver esse filme e eu até gostei bastante. Tava bonito, fotografia ótima, cenários maravilhosos e o Hugh Jackman seria perfeitamente o Wolverine se ele andasse curvado e se fosse um pouco mais violento.


O pontos que eu não gostei fosse dessa coisa de "poupar violência" no Wolverine. Tipo, não cola mesmo. Ele é violento e está resolvido assim, não tem problema ele ser violento. Mas tudo bem, a interpretação do Hugh ficou ótima mesmo.


O Dentes-de-Sabre ficou muito legal também. Acho que essa versão ficou bem melhor aque a do primeiro filme. E esse personagem é muito legal.


Enfim, eu gostei do filme. Eu achei ele muito exagerado em algumas coisas e apelando pra sentimentalismos que certamente não fazem parte do Wolverine. Tipo, o que o Gambit tá fazendo no passado dele? O Deadpool tudo bem, mas o Gambit? Pelo menos teve a "ruiva" amada do Logan, e essa parte do filme ficou bem legal.


Pra esclarecer a história do filme: mostra as origens de Wolverine e Dentes-de-Sabres e todas as guerras que eles travaram juntos. Então, eles são chamados pra fazer parte de um grupo secreto e o Dentes acaba extrapolando sua violência e afastando Logan da vida dele e do grupo. Logan vai viver no Canadá, onde conhece Kayla (a "ruiva") e vive de lenhador (que profissão horrivel!). Um dia, o lider do grupo aparece pra falar que o pessoal que fazia parte estava sendo morto e dai começa de verdade a ação do filme. Nesse vai-e-vem de informações, Logan acaba concordando em fazer parte do projeto Arma X, sem saber que era uma experiência e adquire o famoso adamantium (uy, só de pensar que foi lindo como o Magneto tirou isso dele, já me deixa com um sorriso no rosto!!!)... Logan vai atrás dos antigos amigos do grupo militar, pra ver se encontra o Dentes-de-Sabre, e lá temos a primeira visão do Blob (que tava zuado, mas era o Blob), que fala a respeito do Gambit e dos planos do Dentes e o General que comandava as ações do grupo militar. E blá-blá-blá... A história nem acaba sendo muito empolgante, o que importa é a menção aos personagens legais do universo Marvel.


Nisso, falamos do Gambit. Eu esperei tanto pra ver o Gambit num filme dos X-Men e fiquei um pouco decepcionada. Primeiro porque ele não tinha o sotaque francês - o que eu acho que falta bastante nos personagens é a caracterização deles... Segundo, ele era muito sem sal. Todo aquele charme esbanjado no HQ quase não apareceu, ele não parecia traiçoeiro ou perigoso. Terceiro - cadê os olhos vermelhos??? Maaas, ficou lindo com as cartas e o bastão, embora um pouco estranho na utilização de seu poder. Ele manipulando as cartas foi maravilhoso, meu coraçãozinho de fã palpitou mais forte. Eu gosto muito dessa coisa dele com as cartas, é um dos maiores charmes do Gambit.
Eu gosto muito do Gambit, ele tem todo aquele charme e é um personagem muito legal... Pena que foi pouco explorado no filme. Agora só esperar o Rodrigo Santoro no filme dos X-Men... Vou botar mais fé nele.


Comentário final: Não, o Wolverine é foda, eu sei, ele lutou contra o Galactus (aquele que come planetas!!!) e tudo mais, mas não ganhava fácil nem ferrando do Deadpool - como ele foi montando no filme, pior ainda. O Deadpool (que é muito legal!) é o melhor mercenário da Marvel, eximio com espadas e pontaria... O Wolvi ia apanhar muito. Pena que ele ficou zuado no filme, o Deadpool é muito engraçado.
Parece que ele vai ter um filme somente dele, o que é bom, já que descaracterizarão muito ele... Mas muito mesmo! Quem já leu um quadrinho do Deadpool sabe do que estou falando e também riu, porque ele tem um humor negro fantástico.


Minha nota é 8. Como fã dos X-Men, eu sempre espero mais. Meu sonho mesmo é ver o Senhor Sinistro - ai eu acho que tenho um troço!

segunda-feira, 11 de maio de 2009

História dos Gatinhos - Parte 1

Acordar com um gato chorando não eh uma boa maneira de acordar. Eu escutava seus miados em meus sonhos e estava ficando perturbada com aquele lamento. A historia era bem simples, o filhote deveria estar na casa abandonada atrás do prédio. Eu descobri como entrava no terreno e la fui eu, as sete da manha ver porque o gato chorava tanto. A casa antes era usada como creche e agora não tem mais serventia e esta entregue aos cuidados generosos da Natureza que lentamente vai tomando tudo de volta.

Eu acho uma pena, eh uma casa grande, bom espaço. Parece mais um terreno baldio, como os muitos vazios urbanos de Franca. Não importa, eu estava com medo de malditos escorpiões e cobras e tomei cuidado ao andar pelo terreno e pela grama alta. Encontrei o gatinho branco em cima de um telhado, e do outro, os irmãozinhos dele que se esconderam num buraco no telhado quando me viram. Há duas casas, uma maior e uma menor, com dois aposentos, caixa d’água e telhado frágil. O filhote todo branco estava la, sozinho e chorava.

Ele era branco, tão pequeno quanto eu me lembro do Gordon (recém chegado a minha casa, que cabia na palma da minha mao) e de imensos olhos azuis. Eu tentei resgatar o filhote, mas não obtive sucesso. Eu não alcançava onde ele estava e então deixei leite, na esperança que ele descesse depois e se alimentasse. Fui embora muito frustrada, eu sei la essa minha coisa de ficar querendo ajudar animais, as pessoas tem razão, eles podem se virar sozinhos. Aquele gato iria se virar de alguma forma, mas ainda assim, eu achava que podia ajudar – mesmo não alcançando, e que podia levar ele pro outro telhado, onde estava sua família.

Claro, eu me perguntei a respeito da gata-mae. Mas não havia sinais dela. E eu já tinha visto pela janela do meu quarto ela carregar os filhotinhos pelo muro. Bem, sendo o que for que o gato tenha feito, ele parou de chorar, pro meu alivio.

Recomecou perto do meio dia e eu voltei ao terreno, dessa vez levando uma madeira com a esperança estúpida que ela chegasse ao outro telhado e assim, o gatinho voltar pra sua família. Ainda bem que eu fui com aquela madeira, pois quando voltei, tinha um garoto no terreno, roubando frutos de uma arvore. Acabou que não consegui resgatar o gato e fui pedir ajuda pro menino, que subiu no telhado e pegou o gato. Foi uma correria. O menino ficou me perguntando umas 20mil vezes se o gato não ia arranhar ele e eu já estava perdendo a paciência... Na verdade, eu não tenho muita paciência pra francano, a cada dia eles me dão provas que não merecem nenhuma segunda chance e se tiverem a oportunidade, podem inclusive me matar (isso exige uma postagem especial pra explicações). Ao final, resgatamos o gato e ele me entregou o filhote.

Minha primeira idéia: jogar o gato no telhado certo. E fui o que eu fiz. Mas não foi o que ele queria. Ele simplesmente saltou pro chão novamente e escondeu-se entre as folhas acumuladas na calha. Tentei pegar ele novamente e não fui bem sucedida. Eu e o menino ainda procuramos por ele – e sim, ele continuava me perguntando muitas coisas e eu estava ficando zonza com tantos questionamentos.
A segunda idéia: achar ele e levar pra casa. Mas devido a problemas técnicos, isso não poderia ocorrer, então eu me concentrei apenas na primeira idéia, viável e que ajudaria o filhotinho.

O resgate foi bem sucedido no começo, mas depois ele sumiu entre as folhas do jardim imenso e desistimos. Na verdade, o menino esgotou minha paciência com as milhares de perguntas dele (putaquepariu, como esse povo francano, quando fala com você, (reconhecem unespianos de longe ou simplesmente não são educados – eu acredito nas duas hipóteses) não cansa de fazer perguntas). Eu estava aborrecida por não ter resgatado o gatinho e devolvido ele a sua família, mas depois eu me convenci que ele teria a chance natural de sobrevivência com aquela intervenção. O que eu não esperava era essa historia de gatos estar apenas começando...

Voltando...

Jah pensei em atualizar o blog pela faculdade, sentar e escrever. Mas não eh possível. O Proxy não permite entradas no blogger – não sei porque, e quando estou na mesa atendendo o pessoal, eu fico conversando com meus companheiros de pólo ou fico atendendo os estudantes que vem pra impressão. As vezes lota com gente querendo imprimir e eu acabo ficando meio louca.

Daí, jah que minha mãe me emprestou o note dela, faz sentido eu escrever em casa e depois postar lah. Eh isso que estou fazendo. Devem me perdoar pela falta de acentuação, o PC da minha mãe não reconhece teclado em português (e ele não tem cedilha) e eu conto com o Word idiota pra corrigir e acentuar. Não que isso comprometa muito o meu texto do blog, mas fico chateada com os que pretendo por no site.

Com esse pequeno ajuste – e o mp3 que o Renan doou pro pólo, será possível mais atualizações. Melhor pra mim, eu gosto do blog. Estou mudando a minha abordagem, eu gosto de acompanhar essas mudanças. Foi assim nas historias – e continua pra sempre.

E por falar em historias, eu perdi o animo de escrever muitas delas. Mas prometi a mim mesma que ia terminar e se não fosse tão preguiçosa (e se não tivesse Pokémon pra jogar), certamente que teria escrito mais da fanfic do Anjo. A historia tah terminada na minha cabeça, so tenho algumas duvidas em relação ao Nick e uma parte que estou ainda melhorando da Mina. De resto, ela tah pronta. Soh precisa ser escrita....

sábado, 18 de abril de 2009

Contratos

A pergunta é uma só: Você lê contratos?

Por mais absurdo (sim, porque é isso que eu mais escuto quando perguntam "por que você ainda não colocou sim?" e eu respondo que estou lendo o contrato e me dizem "affe, que absurdo!") que pareça, eu leio todos os contratos virtuais que eu digo que aceito. E um dos meu favoritos, é do programa Spy-Bot - Search & Destroy. Pensando que ninguém leria, o cara escreveu o seguinte:

Dedication Public License (DPL)

Fazendo o download do arquivo, você confirma seu acordo com esta licença.

I. Freeware
Antes de qualquer coisa, as razões de porque o Spybot-S&D é gratuito:

I.a. Dedicatória
O Spybot-S&D é dedicado à garota mais maravilhosa do mundo :)

I.b. Binário
O que você recebe na compra de um programa? Um monte de zeros e uns, e nada mais. Se eles fossem distribuídos como arte, eu poderia entender o pagamento por eles. Mas se o objetivo principal é ganhar dinheiro - através de taxas ou anúncios - então eu não concordo!

I.c. Conclusão
Isso significa que eu garanto a licença de uso do Spybot-S&D pelo tempo que você quiser. Mas se você gostou do programa, eu lhe peço duas coisas: reze por mim (aproveite e reze pela garota mais maravilhosa do mundo também ;) ) para o seu deus - ou o que quer que você acredite - e nos deseje sorte.


II. Limitações

II.a. Engenharia Reversa
A Engenharia Reversa é proibida para quase todos os softwares. Se alguém tem dúvidas a respeito da honestidade do código, darei acesso ao código a uma organização de confiança, como uma universidade, sob condições específicas (como, por exemplo, apenas uma cópia, por um tempo limitado, que terá de ser excluída após o término do prazo combinado).

II.b. Garantia
Eu dei o melhor de mim para tornar o código do Spybot-S&D o mais estável possível e eu lhe garanto que não incluí nada com a intenção de causar qualquer dano ao seu sistema.
Entretanto, remover as ameaças conhecidas pelo Spybot-S&D envolve, algumas vezes, profundas alterações no sistema, e eu não posso garantir que ele irá operar como antes. O programa hospedeiro do spyware pode deixar de funcionar, por exemplo.
Também não posso garantir que o Spybot-S&D removerá todos os spywares contidos no seu sistema ou que o programa não lhe dará falsos positivos. Para seu próprio controle, a localização dos problemas encontrados é mostrada junto a cada resultado, e se você ainda tiver alguma dúvida, você pode visitar o fórum de suporte para mais informações.

II.c. Responsabilidade
Sob nenhuma circunstância você pode me responsabilizar por qualquer dano, causado de qualquer maneira, incluindo, mas não limitado ao dano que você pode fazer ao seu sistema usando o Spybot-S&D.

As vezes, é divertido (além de sempre recomendado) ler contratos...

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Give me blood

Se eu tiver mesmo paciência pra escrever toda a história do vampiro - vários fatores pra que eu não continue, já que fui desmotivada, embora queira terminar a primeira parte sem problemas, afinal eu tenho ela em mente - a seguir a possivel continuação:

Meu nome é Erica e sou bixete de História (é como chamam os novatos do curso) e esse é meu primeiro ano (claro!) na cidade de Franca. Esse ano foi espetacular e cheio de experiências incriveis, e agora que as férias do meio do ano estão chegando, eu repasso o que vivi. Tenho somente dezenove anos e nunca pensei que encontraria coisas que eu nunca pensei que existissem. Quanto mais eu penso naqueles dias tensos, mais sei que não devo pensar neles. Aqueles dias foram inesqueciveis e sei que vou amar Rodrigo pra sempre (embora não possa calcular o "pra sempre" pra criaturas sobrenaturais).
A noite estava estrelada e eu tinha vontade de aproveitar mais dela, mas estava com muita fome. Meus planos de estudo de final de tarde e noite tinham ido por água abaixo quando Talita (minha melhor amiga, gótica, linda com seus longos cabelos negros encaracolados, sua pele branca e suas roupas sexys) me arrastou para o Shopping do Calçado. Acabei perdendo o horário de janta do R.U. e o começo da aula. Ela é do tipo que distrai com sua voz suave e sua conversa boa, e eu nem vi o tempo passar. Sai na hora do intervalo e caminhei até o ponto, apertando meu caderno contra o corpo e pensando que teria que esquentar o almoço.
Estava distraida demais, pensando no que colocaria pra incrementar minha refeição, pra reparar no carro que vinha devagar, parou na minha frente. O som da janela descendo me acordou e eu escutei uma voz vindo de dentro do carro, pedindo pra que eu entrasse. A principio, me enchi de medo, mas quando a voz voltou a meus ouvidos, gentil e imperiosa, eu me curvei um pouco para ter certeza se o dono daquela voz era realmente quem eu achava que era. Meu coração ameaçava pular pela minha boca e fechei a boca, fitando-o com adoração. Era ele e estava do mesnmo jeito que eu lembrava (claro, ele é imortal, ele nunca mudaria. E nesse meio tempo que fiquei sem vê-lo eu tive duas imensas espinhas no queixo!) lindo e sedutor.
Apertei o caderno com força e desviei o olhar, antes que ele percebesse que estava euforica e magoada. Não queria que ele me convencesse a nada e que me visse naquele estado. Havia dito a mim mesma que não voltaria a me envolver com seres sobrenaturais. Por um segundo ou dois, desejei que ele sumisse. Aquele misto de emoções me sufocava e me confundia e eu tive certeza que não estava pronta pra vê-lo, não depois do fora que levei dele.
"Erica?" a voz dele voltou a assaltar meus sentidos e era bonita demais pra ser ignorada. Tinha que ficar longe dele. Me concentrei e avancei na direção do outro ponto de ônibus, mas não dei mais que quatro passos, antes de me chocar com algo sólido e frio. Os dedos gelados me seguraram antes que eu fosse pra trás e no susto eu soltei o caderno. Rodrigo estava parado a minha frente e eu nem soube quando ele saiu do carro, pois não tinha escutado o som da porta abrir ou fechar. Ele me abraçou pela cintura e sem esperar mais nada, me beijou.
Meu corpo (pra variar) criava vida perto dele e eu o abracei com força e o beijei também. Eu nunca consegui me controlar nesse aspecto e nem mesmo parar de me esfregar nele, de maneira tão obscena. Ele se afastou e eu lamentei. "Pode vir comigo?" ele perguntou, abrindo a porta do carro e eu entrei, sem questionar mais. Enquanto eu me acomodava, ele já estava sentado no banco do motorista e me olhava com atenção. Movia-se naquela velocidade mesmo, não estava mais escondendo sua natureza sobrenatural: Rodrigo era um vampiro.
"Você está... Me induzindo?" eu perguntei, olhando fixamente pra ele também. Já haviamos discutido sobre isso e eu temia que ele voltasse a fazer uso disso. Talita tivera suas memórias roubadas por conta desse poder estranho. Eu não entendia como funcionava, mas sabia que era eficaz e que eu mesma já estive sobre o encanto. "Porque você prometeu que não faria mais isso".
"Não" ele respondeu simplesmente, dando um breve sorriso. Moveu sua cabeça pro lado, seu cabelo caindo pelos ombros, naquele corte irregular. "É mais do que claro que não preciso disso, ao menos com você e possuo criatividade suficiente pra te fazer concordar com o que eu desejo sem ter que recorrer a isso".
Continua depois... Essa história se passa aqui em Franca mesmo e envolve a faculdade. Ela é bobinha e simples, quem sabe eu não melhore ela depois. Eu gosto do vampiro e do metamorfo dela.

A primeira carta das mais de trezentas de Noah...

"Minha querida Allie, não pude dormir a noite passada porque sei que terminou. Sem ressentimentos, pois sei que realmente nos amamos. Se no futuro, voltarmos a nos encontrar em algum lugar vou sorrir alegre pra você e lembrar como passamos um verão sob as árvores aprendendo um com o outro e nos amando. O melhor amor é aquele que desperta a alma e nos faz querer mais. Aquele que coloca um fogo no coração e traz paz a mente. E foi isso que você me deu. E o que eu esperava dar a você pra sempre. Amo você. Até um dia, Noah."

domingo, 5 de abril de 2009

L Lawliet

Pro universo de Death Note, o L está perfeito. Claro, eu nunca botei muita fé nesse anime (embora tenha escutado muitas pessoas falando bem dele) e só fui ver, ainda com muita descrença, na casa do meu namorado. Oquei, o Raito é um chatoooooo e quem salvou minha visão de Death Note foi mesmo o L.


A primeira vez que citaram ele, achei muito fantastico. Cheio de mistério envolvendo sua pessoa e quando ele finalmente dá as caras, é um cara pra lá de esquisito, que anda curvado e se entope (não tô zuando, antes eu achava que somente o Rusty ficava comendo o tempo todo) de doces. Senta esquisito porque acha que se sentar corretamente vai perder porcentagem de sua capacidade de raciocinio.



Quando eu o vi, não botei fé. Fiquei até decepcionada, porque não correspondia a imagem que tinha feito dele. Achava que ia ser um personagem bonitão e que nada, era só um magrelo, esquisito, pálido e com olheiras.


Mas então, o L mostrou porque ele era o Melhor Detetive do Mundo e que sua aparência tinha todo um charme esquisito e dócil. Tinha vontade de apertar o L de tão fofo que ele se mostrava.


Claro, pra alcançar a alcunha de Melhor Detetive do Mundo, ele era realmente bom. E cara, ele é bom mesmo. Como eu disse, pro universo de Death Note, com o Raito sendo sempre mentiroso pra cacete, tinha que chegar alguém a altura dele, a ponto de deixá-lo com medo e testar sua inteligência.


O L sempre soube que o Raito era o Kira. Não tinha como provar e quando achou que tinha (mais uma das muitas mentiras do Death Note), o Raito foi mais inteligente (oquei, admito que ele jogou muito com a sorte e teve sucesso, mas que foi mentira demais, foi) e trapaceou, deixando o L pra trás. Porque, apesar de tudo, a intuição do L era melhor e ele já sabia que o Raito era o Kira, só não sabia a forma que ele operava (ou "modus operandi"). Claro, ele poderia adivinhar que se tratava de coisas sobrenaturais.



Sem o L, o Death Note perdeu muito. Eu não terminei de ver, parei no episódio 34, mas desde que ele saiu, perdeu muito da graça pra mim. O Kira não pode vencer porque é errado o que ele faz, ele é injusto e louco; mas claro que os roteiristas não precisam concordar comigo - e muita gente queria ter um Death Note pra virar um Kira-da-vida - mas sem o L, perdeu muito mesmo.

Enfim, falei demais. No Live-Action, L é interpretado por Kenichi Matsuyama, muito bem interpretado por sinal. Ele anda curvado, fica comendo doces o tempo todo, cabelo caído sobre os olhos, olheiras, palidez, pega tudo com a ponta dos dedos, senta da mesma forma, e possue aquele olhar vago tão caracteristico do L. Nossa, a atuação dele é m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a-aaaaaaa! Simplesmente é o L.

E sim, eu gostei mais do final do Live Action, o L foi melhor e calou a boca do presunçoso do Raito... hauahauahua. \o\

sábado, 4 de abril de 2009

Layout e modificações

Weeeeeeeeee, nada como ter tempo e arrumar um pouco o blog. Bem, finalmente consegui por a versão 3 da Hikaru... Foi por não ter conseguido colocar que desisti do blog.
E atualizei a lista de fanlistings, já que algumas se moveram ^^
Ajustado lista de fanfics do fanfiction.net e atualizado links ^^

Cidade dos Anjos

Seth é um anjo que vaga pela Terra consolando aqueles que estão com problemas. Maggie é uma cirurgiã prática e racional que se abala a perder um paciente, aparentemente, sem motivo algum. No fundo de seu coração, ela sente a presença de algo divino, mas se recusa a acreditar em qualquer coisa que não pode explicar logicamente. Até que a força do destino une Maggie e Seth em um amor poderoso e irresistível. Um amor tão forte que faz com que Seth abra mão da sua imortalidade, enquanto Maggie abre seu coração aos mistérios da vida.


Ah, sempre bonitinho falar dos meus filmes favoritos. Pois bem, depois de tanto tempo, eu finalmente comprei o DVD do Cidade dos Anjos. Sei lá, eu tenho adoração pela interpretação do Nicolas Cage e a forma apaixonada que ele olha durante o filme todo.


Até meu irmão mais velho curte ele. Assim como eu, ficou impressionado com a intensidade do olhar dele e a forma que ele olha apaixonado pra Maggie, daqueles amores que poucos sentem e todos desejam sentir. Incondicional e fabuloso.
É um dos meus filmes favoritos. A história é bem legal, cada protagonista com seu extremo, ela totalmente humana, segura e racional e ele, imortal, adorável e curioso. A forma como eles se relacionam fala muito dos personagens, de como eles agem e de como a natureza humana é desconfiada.
Maggie é uma excelente "mocinha", perdida no mundo dos sentimentos humanos e perdida em suas próprias crenças, afinal, ela sentiu que "lutava" contra algo maior e que não estava ali naquela sala, que "lutava" no final congtra do destino. E quem consegue lutar contra ele? Depois de chegar a essa questão e sua única resposta, ela fica perdida e angustiada, porque tudo o que ela fez para salvar vidas no final não adianta de nada, por que como salvar se não for o destino da pessoa viver? Talvez não tão complexo assim, eu gosto de pensar muito a respeito das construções dos personagens, porque me ajuda a construir os meus próprios personagens. Todas essas confusões e sentimentos me valem muito.
Seth é aquele personagem que eu admiro e que nunca vou conseguir recriar. Ele tem uma natureza que eu não sei escrever, que eu já tentei com a Hattel e não consigo reproduzir algo que lembre ele. Ele é fabuloso pra mim. Nicolas deixou ele com olhar sereno, amavel e compreensivel. Parece que naquele brilho do olhar, ele conhece seu futuro e de alguma forma, fará o melhor pra você - claro que ele fará isso, é um anjo! Quando ele conhece o "livre-arbitrio" (algo que minha mãe acha feio no filme o anjo não saber sobre isso), ele olha fascinado a descoberta e parece que pensa em milhares de possibilidades, mesmo quando se trata de apenas uma, de apenas um caminho.



Enfim, o enredo é ótimo, os personagens são maravilhosos e o resultado é Cidade dos Anjos, que foi lançado em 1998 e tem a direção de Brad Silberling. Eu comprei a versão de DVD que tem extras, mostra a construção do cenário dos anjos, a opinião dos atores e diretores; tem clipes (affe que droga é aquele clipe do U2??); e muitos comentários.

Pra viver um amor delicioso e uma história daqueles que te fazem perguntar "o que eu sacrificaria por amor?". Eu, com certeza, ia pensar muito a fazer o que ele fez, mas eu sempre abri mão de muitas coisas pra viver paixões - e mesmo que eu não o faça como humana, meus personagens fazem vários sacrificios por mim ^^