terça-feira, 20 de março de 2007

Mabon

O que me sustenta é o amor da Grande Mãe
O amor da Mãe

Sendo o que eu sou
Fazendo o que eu faço
Pensando o que eu penso
- música de Sabbath - O Que Me Sustenta -


Hoje é celebrado o sabbath Mabon (mêi-bon) - Equinócio de Outono. A nossa segunda colheita e época para reflexões e colher aquilo que plantamos, agradecendo pela abundância e pelas graças recebidas nesse período. Hoje também é inicio do Outono, estação das folhas secas e preparação pro inverno, uma estação amena que traz aquele ventinho gelado e dias ensolarados.

Agora um texto que não é meu, mas que explica bem o sabbath - já que sou nubi e não sei explicar corretamente:

"Nesse Sabbat a Deusa lamenta o seu consorte que está partindo para Outro Mundo, mas a mensagem de renascimento pode ser encontrada em cada semente colhida, que é o próprio Deus que se sacrifica para alimentar seu povo. É um tempo positivo para caminhar nas florestas, colher plantas e ervas mágicas para serem usadas no Altar.

Mabon é um período positivo para honrar os Ancestrais e o Espírito da Terra.

Os Deuses associados com Mabon são todos aqueles relacionados ao vinho e às colheitas. É dada muita ênfase à Deusa em seu aspecto de Mãe e muitas vezes Modron (a mãe de Mabon) é honrada.

Nesse período da Roda do Ano, duas lendas mitológicas são apropriadas: Mabon e Modron (celta) e a história de Perséfone (grega).

Mabon é um antigo Deus celta que simboliza os princípios masculinos da fertilidade. É o nome galês do Deus da mocidade, a Divina Criança, que os Druidas acreditavam estar dentro de todos nós. Ele é uma criança do Outro Mundo, nascida de pais terrestres, que desapareceu em sua terceira noite de vida.
Esse Sabbat é simbolizado pelo espiral duplo, um vai e outro que retorna, para nos lembrar que começamos a jornada pelo ponto mais escuro do ano e que a morte sempre é seguida pelo renascimento, da mesma maneira que o Inverno sempre é seguido pelo Verão. A Deusa está grávida do Deus que nascerá em Yule, a noite mais longa. Ela se prepara para dizer adeus ao Deus velho, mas sabe que a semente do Deus novo já está dentro dela, em seu ventre.

Os temas desse Sabbat são equilíbrio e ação de graças. É tempo de dar graças pelos frutos colhidos, e a Deusa é a Senhora de Abundancia cuja colheita nos sustentará pelos meses escuros do Inverno, assim como refletir sobre nós mesmos, sobre o equilíbrio da escuridão e da luz e se esforçar para manter o equilíbrio interno.

Também é hora de meditar sobre os projetos, a escolha das “sementes” (nossos sonhos) que serão plantadas no próximo ano, além de agradecer pelas realizações do ano que passou. Agora, entretanto, temos de deixar que coisas não mais significativas possam ir embora de nossa vida, pois isso é o que nos oculta e impede de alcançar aquilo que queremos, e observar que cada coisa tem seu tempo e sua estação e o Inverno se aproxima. "
(extraído de Universo Pagão Fórum)

Então é isso... sou bruxa solitária, mas não dedicada. Eu gostaria de pertencer a um coven, mas sempre escuto histórias de pessoas que foram se juntar a um e acabaram "sofrendo" algum tipo de coisa. Eu sempre lembro de uma história que o Icaro me contou, mas que não vou entrar em detalhes. Eu sei que esse tipo de coisa leva tempo e acima de tudo dedicação (1 ano e 1 dia, senão me engano, onde se estuda tudo sobre como cultuar e celebrar a Deusa e o Deus), e pretendo me dedicar a isso, assim que me organizar. Como sou solitária, não vou pertencer a nenhuma tradição Wiccan - por minha escolha, e celebrarei a Deusa conforme aprendi, observei e intui. (hehehe, isso é o que a Cat me falaria ^^)

Boa colheita a todos!

Um comentário:

Priscilla Santos disse...

Me explica uma coisa: o Mabon valeria como um ano novo?
Com essa postagem fiquei pensando...faz tempo que não conversamos sobre crenças, não é? Acho interessante você ter se fortalecido nas suas, interessante que você continue estudando e intuindo do jeito que acha bom. As minhas foram substituídas por outras faz um montão de tempo e, com sinceridade, não lamento. Esse lado de cá também tem suas dificuldades, estou consciente, mas já não consigo mais guardar algo além de carinho pelas crenças metafísicas. Me tornei cética, entreguei minha alma (nos absurdos que esse conceito possa ter aqui) à experimentação científica.
Mas e quanto aos fenômenos inexplicáveis???
O que a ciência não responde, eu, simplesmente, não pergunto. rss

beijos
obrigada pelo apoio que tem me dado