sábado, 4 de abril de 2009

Cidade dos Anjos

Seth é um anjo que vaga pela Terra consolando aqueles que estão com problemas. Maggie é uma cirurgiã prática e racional que se abala a perder um paciente, aparentemente, sem motivo algum. No fundo de seu coração, ela sente a presença de algo divino, mas se recusa a acreditar em qualquer coisa que não pode explicar logicamente. Até que a força do destino une Maggie e Seth em um amor poderoso e irresistível. Um amor tão forte que faz com que Seth abra mão da sua imortalidade, enquanto Maggie abre seu coração aos mistérios da vida.


Ah, sempre bonitinho falar dos meus filmes favoritos. Pois bem, depois de tanto tempo, eu finalmente comprei o DVD do Cidade dos Anjos. Sei lá, eu tenho adoração pela interpretação do Nicolas Cage e a forma apaixonada que ele olha durante o filme todo.


Até meu irmão mais velho curte ele. Assim como eu, ficou impressionado com a intensidade do olhar dele e a forma que ele olha apaixonado pra Maggie, daqueles amores que poucos sentem e todos desejam sentir. Incondicional e fabuloso.
É um dos meus filmes favoritos. A história é bem legal, cada protagonista com seu extremo, ela totalmente humana, segura e racional e ele, imortal, adorável e curioso. A forma como eles se relacionam fala muito dos personagens, de como eles agem e de como a natureza humana é desconfiada.
Maggie é uma excelente "mocinha", perdida no mundo dos sentimentos humanos e perdida em suas próprias crenças, afinal, ela sentiu que "lutava" contra algo maior e que não estava ali naquela sala, que "lutava" no final congtra do destino. E quem consegue lutar contra ele? Depois de chegar a essa questão e sua única resposta, ela fica perdida e angustiada, porque tudo o que ela fez para salvar vidas no final não adianta de nada, por que como salvar se não for o destino da pessoa viver? Talvez não tão complexo assim, eu gosto de pensar muito a respeito das construções dos personagens, porque me ajuda a construir os meus próprios personagens. Todas essas confusões e sentimentos me valem muito.
Seth é aquele personagem que eu admiro e que nunca vou conseguir recriar. Ele tem uma natureza que eu não sei escrever, que eu já tentei com a Hattel e não consigo reproduzir algo que lembre ele. Ele é fabuloso pra mim. Nicolas deixou ele com olhar sereno, amavel e compreensivel. Parece que naquele brilho do olhar, ele conhece seu futuro e de alguma forma, fará o melhor pra você - claro que ele fará isso, é um anjo! Quando ele conhece o "livre-arbitrio" (algo que minha mãe acha feio no filme o anjo não saber sobre isso), ele olha fascinado a descoberta e parece que pensa em milhares de possibilidades, mesmo quando se trata de apenas uma, de apenas um caminho.



Enfim, o enredo é ótimo, os personagens são maravilhosos e o resultado é Cidade dos Anjos, que foi lançado em 1998 e tem a direção de Brad Silberling. Eu comprei a versão de DVD que tem extras, mostra a construção do cenário dos anjos, a opinião dos atores e diretores; tem clipes (affe que droga é aquele clipe do U2??); e muitos comentários.

Pra viver um amor delicioso e uma história daqueles que te fazem perguntar "o que eu sacrificaria por amor?". Eu, com certeza, ia pensar muito a fazer o que ele fez, mas eu sempre abri mão de muitas coisas pra viver paixões - e mesmo que eu não o faça como humana, meus personagens fazem vários sacrificios por mim ^^

Um comentário:

Michel disse...

ola ,

Acredito que a essência sutil do amor comanda o pensamento dos heróis , a conduta dos santos , a beleza dos artistas , a inspiração dos gênios e dos sábios , a dedicação dos mártires , colocando beleza e cor nas paisagens mais sombrias .

Abraço
Michel